Como um corpo de menina-moça,
que se descobre cada manhã frente aos
espelhos, a cidade que se forma, que se
inventa a cada instante, com a grandeza
de seu traçado, com o mistério de suas
linhas arquitetônicas, se estenderá,
ao sol, para a festa de sua beleza.

- Extraído do livro “Invenção da Cidade”, de Clemente.